quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Depósito compulsório. Efeito multiplicador da moeda

Efeito "multiplicador da moeda"
Depósito Compulsório - Contabilidade bancária
Ex. Consideremos, num exemplo hipotético, que não exista a “Recolhimento Compulsório”.
José Recebeu R$ 100,00, ficou com R$ 20,00 no bolso e depositou R$ 80,00 no Banco, conta “Depósitos à Vista". Percurso dos R$ 80,00 depositados:   Tabela 1
Como nesse exemplo não há o “Depósito Compulsório”, o Banco pôde emprestar quanto quis dos seus depósitos. Assim, o dinheiro fez um “efeito multiplicador”, totalizando no exemplo R$ 165,00, ou seja, 65% a mais que o dinheiro original.
Por outro lado, aplicando-se o “Recolhimento Compulsório”, de 45% sobre os R$ 80,00 originais de José, só poderiam ficar para empréstimo pelo banco R$ 36,00. Ou seja, o “efeito multiplicador” da moeda (escritural) teria um impacto muito menor.

Tabela 2 - Modalidades de Compulsórios (Resumo prático):

Compulsório:
Alíquota
Recursos à Vista
   45%
Recursos a Prazo
   20%
Depósito de Poupança
   20%

        O "depósito compulsório" (ou recolhimento compulsório), praticado pelos bancos sobre os depósitos dos correntistas, é uma forma de "enxugar" os meios de pagamento para controlar a inflação, ou mesmo para "expandir" quando em momentos de baixa demanda e produtividade. Essa prática faz parte da "Política Monetária" do governo federal.

             Prof. Inácio Dantas

             Fonte: "Contabilidade Bancária e de Instituições Financeiras"

             Adquira o livro clicando aqui.


Nenhum comentário:

Postar um comentário